TECNOLOGIA

Micróbios encontrados prosperando em uma primavera de baixo oxigênio, supersalgada e abaixo de 0 no Ártico canadense

Micróbios encontrados prosperando em uma primavera de baixo oxigênio, supersalgada e abaixo de 0 no Ártico canadense

[ad_1]

Os cientistas conseguiram encontrar sinais de vida microbiana em um dos pontos mais difíceis da Terra, dando mais esperança de que a vida também possa ser encontrada em alguns dos ambientes desconhecidos do espaço. Nas profundezas do Ártico canadense, os cientistas conseguiram identificar sinais de vida nas águas tremendous salgadas e com pouco oxigênio da Misplaced Hammer Spring. A água na primavera sobe através de 1.970 pés de permafrost em um dos lugares mais frios da Terra. A descoberta aumenta a esperança de muitos de que a vida microbiana (se existir) também pode ser encontrada em ambientes semelhantes às luas geladas Europa e Enceladus.



“Demorou alguns anos trabalhando com o sedimento antes que pudéssemos detectar com sucesso comunidades microbianas ativas. A salinidade do ambiente intervene tanto na extração quanto no sequenciamento dos micróbios, então, quando conseguimos encontrar evidências de comunidades microbianas ativas, foi uma experiência muito satisfatória”, disse. disse A microbiologista-pesquisadora Elisse Magnuson, da McGill College, Canadá.

Os micróbios que a equipe encontrou são inteiramente novos com algumas adaptações muito específicas que permitem que eles existam e cresçam em ambientes extremos como a Misplaced Hammer Spring. Mais importante ainda, esses micróbios são quimiolitotróficos. Esses tipos de organismos, cujo nome significa literalmente “comedores de rochas”, produzem energia através da oxidação de moléculas inorgânicas. Os quimiolitotrópicos podem sobreviver com ou sem oxigênio.

“Os micróbios que encontramos e descrevemos em Misplaced Hammer Spring são surpreendentes, porque, ao contrário de outros microrganismos, eles não dependem de subject matter orgânico ou oxigênio para viver”, explicou o microbiologista Lyle Whyte.

Esses microrganismos podem sobreviver comendo e respirando compostos inorgânicos simples, como metano, sulfetos, sulfato, monóxido de carbono e dióxido de carbono, todos encontrados em Marte.

Whyte, professor de Microbiologia Polar da Universidade McGill do Canadá, disse“Eles também podem fixar o dióxido de carbono e os gases de nitrogênio da atmosfera, o que os torna altamente adaptados para sobreviver e prosperar em ambientes muito extremos na Terra e além”.

Os cientistas acreditam que o gelo nas calotas polares marcianas é formado de água hipersalina e que sob as superfícies geladas de Europa, a sexta maior lua de Júpiter, e Encélado, a sexta maior lua de Saturno, estão oceanos de água hipersalina. Esses ambientes podem abrigar micróbios extraterrestres semelhantes que se adaptaram às condições.

.

[ad_2]

Fonte da Notícia: gadgets360.com

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo