GEEKS

O mundo não pode se livrar do lítio chinês

O mundo não pode se livrar do lítio chinês

Os projetos de lítio fora da China estão à mercê dos mercados, desacelerando e expandindo à medida que o preço do lítio diminui e aumenta. Mas o investimento doméstico tem sido quase constante. Como resultado, a China é o único país que pode levar o lítio desde a matéria-prima até as baterias acabadas sem ter que depender de produtos químicos ou componentes importados. Isso se deve principalmente a um ambiente político que enfatiza a redução do custo do lítio em vez de maximizar o valor para o acionista.



Mas a China não está produzindo lítio suficiente para satisfazer seu apetite doméstico – e, além disso, apenas cerca de 10% do subject matter que entra em uma bateria é realmente lítio. O país ainda depende das importações de cobalto, níquel, cobre e grafite, o que garante um grau de cooperação mútua por enquanto. “É realmente um sistema entrelaçado”, diz Lukasz Bednarski, analista de materiais de bateria e autor de Lítio: A Corrida International pelo Domínio das Baterias e a Nova Revolução Energética. “O mundo ocidental e a China são meio que codependentes.”

Nenhum dos lados está interessado em iniciar uma guerra comercial, o que resultou em um deadlock um pouco desconfortável, diz Barron. “Se a China decidir não exportar baterias de veículos elétricos, os países do Ocidente podem decidir não exportar o níquel para a China”, diz ele. “A China não tem refinarias para produzir níquel da mais alta pureza.”

O equilíbrio de poder pode mudar à medida que ambos os lados investem na independência energética. Enquanto o Ocidente corre para construir minas e fábricas, a China começa a explorar fontes inexploradas de lítio em Xinjiang e nos lagos salgados do planalto tibetano. Isso pode ter um custo humano: um relatório de O jornal New York Occasions encontraram evidências de trabalho forçado em operações de mineração em Xinjiang, o que poderia ser um potencial ponto de inflamação se as sanções destinadas a proteger a minoria uigur impedissem as empresas ocidentais de importar produtos químicos extraídos naquela região.

Em última análise, o lítio não é fundamentalmente escasso. À medida que os preços sobem, novas tecnologias podem se tornar economicamente mais viáveis ​​– uma maneira de extrair lítio da água do mar, por exemplo, ou um tipo totalmente novo de química de bateria que elimina completamente a necessidade de lítio. No curto prazo, porém, as crises de oferta podem atrapalhar a mudança para os EVs. “Pode haver soluços – anos em que o preço da matéria-prima dispara e há escassez temporária no mercado”, diz Bednarski.

Os fabricantes de automóveis chineses terão uma enorme vantagem se isso acontecer. Já marcas chinesas como Nio e marcas europeias de propriedade chinesa como MG estão lançando EVs no Ocidente que são os mais baratos do mercado. “As empresas ocidentais de propriedade chinesa terão uma enorme vantagem sobre seus concorrentes europeus ou norte-americanos”, diz Barron.

Uma vez operacional, a planta de lítio em Kwinana enviará 24.000 toneladas de hidróxido de lítio australiano por ano. Mas esse lítio, extraído na Austrália para baterias construídas na Coreia do Sul e Suécia e destinado a EVs vendidos na Europa e nos EUA, depende da China em cada etapa de sua jornada. A estrutura da antiga refinaria de petróleo ainda é um monumento à luta secular por combustíveis fósseis que remodelaram o mundo, mas há uma nova corrida em andamento – e a China está no comando.

.

Fonte da Notícia: www.stressed out.com

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo