GAMES

O que é ser estranho | Diversidade

O que é ser estranho |  Diversidade

[ad_1]

Queer é uma palavra em inglês que significa “estranho”. É usado para representar as pessoas que não se identificam com os padrões impostos pela sociedade e transitam entre os gênerossem acordo com tais rótulos, ou que não saibam definir seu gênero/orientação sexual.



Nesta terça-feira (28), Valentina Schmidt, filha do apresentador Tadeu Schmidt, fez uma publicação em seu Instagram nesta comemorando o Dia do Orgulho LGBTQIA+ e falando do orgulho de ser queer.

“Ecu sou queer e me orgulho”, escreveu ela em um cartaz, em inglês.

O mês de junho é dedicado ao orgulho LGBTQIA+ porque foi nesta época do ano de 1969 que a polícia invadiu um bar frequentado por membros da comunidade, em Nova York, chamado Stonewall. O episódio deu origem a uma série de protestos e, em junho do ano seguinte, surgiu a primeira grande parada LGBTQIA+, conhecida como “Libertation Day”.

Valentina Schmidt publish no Dia do Orgulho LGBTQIA+ — Foto: Reprodução/Web

  • LGBTQIA+: entenda o que significa cada letra da sigla
  • Orgulho de ser quem se é: a luta pelo reconhecimento das identidades

Valentina cita e se identifica com uma identidade de gênero queer, que representa a letra Q na sigla LGBTQIA+. Clique aqui e saiba o significado de cada uma dessas letras.

“Há um ano, tomei uma das decisões mais difíceis da vida. Uma decisão da qual me orgulho profundamente. Tenho orgulho de ter a liberdade para falar abertamente sobre minha sexualidade”, diz Valentina em sua publicação.

O pai de Valentina, Tadeu Schmidt, comentou na publicação demonstrando apoio. Ele postou seis corações com cores variadas, representando a diversidade.

“Orgulho de amar quem ecu quiser. Orgulho de ter uma família e amigos que me apoiam incondicionalmente. Orgulho de ser uma mulher queer. Orgulho de ser ecu. Ninguém nunca vai tirar o meu direito de amar e ser feliz. Boa sorte para quem tentar. Que esse mês do orgulho tenha sido maravilhosos para todos nós”, completou a jovem.

Em 2021, o g1 publicou a série de reportagens “Mais que uma letra”. Em uma delas, Beta Boechat explicou que não é estranho e como descobriu que se encaixava nos padrões de gêneros tradicionais. Veja vídeo abaixo:

Mais que uma letra: ‘Não me encaixava no grupo dos homens, nem das mulheres’, diz Beta

[ad_2]

Fonte da Notícia: g1.globo.com

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo