TECNOLOGIA

Tesla é processada novamente por suposto racismo e assédio

Tesla é processada novamente por suposto racismo e assédio

[ad_1]

A Tesla, fabricante de carros elétricos, foi processada novamente na quinta-feira, desta vez por um grupo de atuais e ex-funcionários negros que dizem estar sujeitos a insultos raciais e assédio, de acordo com um relatório do San-Francisco Chronicle. O processo afirma ainda que a empresa e a administração sabiam das reclamações e não fizeram nada para impedi-las.



De acordo com a ação movida em um tribunal estadual da Califórnia, trabalhadores da Tesla’s Fremont, CA. fábrica de montagem afirmam que foram submetidos a comentários ofensivos de colegas, gerentes e funcionários de recursos humanos em uma base common. O assédio variou de pichações racistas nos banheiros a ser chamado de n-word ou como um funcionário no processo descreveu “Blackies” e “Darkies”.

Além do assédio, os demandantes no processo também alegaram que os funcionários negros da fábrica de Fremont receberam cargos mais extenuantes do que seus colegas de trabalho brancos. No relatório do SF Chronicle, Tyron Aghedo diz que ele e outros funcionários negros trabalhavam 12 horas por dia nas partes mais fisicamente intensivas dos veículos, enquanto seus colegas brancos tinham permissão para alternar a cada duas horas.

Outros queixosos no processo relataram casos de xingamentos de gerentes e líderes, RH usando comentários raciais ao descartar reclamações de funcionários e, em alguns casos, retaliação.

VEJA TAMBÉM:

Elon Musk se sente ‘muito mal’ com a economia e quer demitir 10% da força de trabalho da Tesla

Teri Mitchell, queixosa no processo, diz que depois de fazer uma queixa, ela foi transferida para uma seção diferente e foi demitida da empresa algum pace depois sem aviso prévio, de acordo com o SF Chronicle. O processo afirma que Mitchell foi informado por um funcionário de RH: “É raro os negros trabalharem aqui. Não sei quanto pace você poderá ficar aqui”.

“Ouvir histórias após histórias de funcionários sendo submetidos a esse nível de comportamento e linguagem repugnantes e ameaçadores ainda é quase inacreditável”, disse o advogado dos queixosos, Mike Arias, falando com o SF Chronicle.

No momento da redação deste artigo, a Tesla ainda não fez uma declaração sobre esse novo processo.

De acordo com a Al Jazeera, A Tesla agora enfrenta pelo menos 10 processos alegando discriminação racial generalizada ou assédio sexual, incluindo um por uma agência de direitos civis da Califórnia. A Tesla negou ter maltratado trabalhadores negros, mas em outubro do ano passado, um júri federal de São Francisco concedeu US$ 136,9 milhões em danos a um homem negro, Owen Diaz, que disse que foi repetidamente chamado de nomes racistas, mostrado desenhos racistas e submetido a abuso durante 9 meses e meio de emprego na fábrica de Fremont. Mais tarde, um juiz reduziu o prêmio para US$ 15 milhões, mas Diaz recebeu um novo julgamento para redefinir o prêmio do acordo.

Este novo processo é apenas um dos muitos que a Tesla está enfrentando no momento. No início deste mês, um acionista da Tesla processou o CEO Elon Musk e a empresa por negligenciar as reclamações dos trabalhadores e promover uma cultura tóxica no native de trabalho. de acordo com a Reuters.



[ad_2]

Fonte da Notícia: mashable.com

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo