TECNOLOGIA

Vítimas de ataques a hospitais russos devem ter bens apreendidos: especialistas

Vítimas de ataques a hospitais russos devem ter bens apreendidos: especialistas

[ad_1]

Ucranianos e sírios que foram vítimas das campanhas sistemáticas de bombardeio de instalações de saúde da Rússia em ambos os países devem ter direito a reparações por meio de ativos e fundos russos que foram congelados, disseram especialistas internacionais em direitos humanos ao Insider.



Gissou Nia, advogado internacional de direitos humanos do Atlantic Council, foi co-autor de um relatório em junho pedindo à comunidade internacional que faça mais para responsabilizar a Rússia por quebrar protocolos legais ao bombardear hospitais na Síria e na Ucrânia.

Apenas nos primeiros 100 dias da guerra na Ucrânia, as forças russas atacaram cerca de 200 hospitais, segundo a Organização Mundial da Saúde. Em um paralelo sombrio, durante a guerra na Síria, 600 instalações médicas foram atacadas, de acordo com Médicos para os Direitos Humanos.

A Rússia também atacou corredores humanitários e empregou “ataques duplos” – bombardeando uma unidade de saúde e a operação de resgate subsequente – na Síria e na Ucrânia.

A Rússia negou que tenha como alvo hospitais e corredores humanitários em ambos os países.

Em seu relatório, o Atlantic Council, um suppose tank de assuntos internacionais, disse que o padrão de ataques a hospitais durante a guerra “mina as disposições estabelecidas e duramente conquistadas do direito internacional humanitário que se destinam a proteger os civis durante o conflito”.

Em entrevista ao Insider sobre o relatório, Nia argumentou que soluções ousadas, como oferecer reparações por meio de ativos russos apreendidos, podem ser um caminho a seguir, embora existam barreiras.

“Há uma grande discussão sobre a apreensão e a possível liquidação de ativos estatais russos e ativos de oligarcas russos, e o uso disso para a reconstrução da Ucrânia”, disse Nia ao Insider. “Acreditamos que parte disso precisa ir para a reparação das vítimas, e não são apenas as vítimas ucranianas; também são as vítimas sírias que sofreram violações pelos mesmos grupos perpetradores. Achamos que qualquer mecanismo estabelecido para fazer isso precisa fator nessa recuperação – que poderia ser para vítimas de ataques hospitalares.”

Celeste Kmiotek, advogada focada nessas complexas soluções legais para o Atlantic Council, disse ao Insider que a abordagem dependeria da estrutura de cada país para a apreensão de ativos russos.

“Nos EUA, apesar das propostas sobre a criação de um mecanismo felony para apreender bens congelados sob sanções direcionadas aos direitos humanos, tal projeto não avançou e, portanto, o Departamento de Justiça ainda está limitado aos métodos tradicionais de confisco de ativos”, disse Kmiotek ao Insider. .Tecnicamente, as vítimas podem solicitar uma parte dos bens apreendidos, mas, em suma, elas precisariam ser vítimas dos mesmos crimes pelos quais os bens foram apreendidos (que tendem a estar relacionados à corrupção) e precisariam provar uma dano direto com a documentação. Isso, infelizmente, exclui a maioria das vítimas de direitos humanos.”

Kmiotek acrescentou que, no momento, o DOJ não tem nenhum mecanismo formal para que as vítimas de ataques a hospitais sírios ou ucranianos solicitem que os fundos russos apreendidos sejam reaproveitados como reparações. E a tesoureira dos EUA, Janet Yellen, disse em maio que ainda não é felony para os EUA seguir esse caminho – mas que os EUA estão investigando isso.

Os EUA e aliados congelaram pelo menos US$ 300 bilhões em ativos do banco central russo desde a invasão russa da Ucrânia em fevereiro.

O ultimate seria colocar os fundos em um processo de reivindicação específico dos EUA ou world ao qual as vítimas poderiam se inscrever diretamente”, acrescentou Kmiotek, enfatizando que a criação dessa estrutura felony também levaria muito pace.

Alternativamente, outra solução seria repatriar ativos russos apreendidos para governos nacionais ou organizações confiáveis. Nos casos da Síria ou da Ucrânia, isso pode ser um beco sem saída, disse Kmiotek.

“Na Síria, a repatriação não é realista, uma vez que não se pode confiar fundos ao atual governo e, na Ucrânia, existe um risco contínuo de que o governo do presidente Zelenskyy caia nas mãos da Rússia e, em ambos os países, os refugiados que permanecem fora do país não benefício”, disse Kmiotek ao Insider. “As organizações têm mais flexibilidade e, no caso da Síria, são mais confiáveis, mas enfrentam limitações quanto a quem podem alcançar, principalmente durante as guerras em andamento”.

[ad_2]

Fonte da Notícia: www.businessinsider.com

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo