TECNOLOGIA

EUA e Rússia concordam em trocar assentos em voos da estação espacial

EUA e Rússia concordam em trocar assentos em voos da estação espacial

[ad_1]

Os EUA podem ter imposto sanções econômicas contra a Rússia por causa da guerra na Ucrânia, mas no espaço, os dois países estão encontrando maneiras de continuar trabalhando juntos. NASA e Roscosmos têm assinado um acordo há muito esperado para trocar de lugar em voos para a Estação Espacial Internacional. Depois que o programa do ônibus espacial foi encerrado, a NASA confiou nos voos russos da Soyuz por anos para transportar seus astronautas para o laboratório em órbita. Isto é, até que a SpaceX conseguiu obter a certificação Staff Dragon para voos espaciais humanos. Agora, a agência voltará a garantir assentos na Soyuz, enquanto os cosmonautas russos voarão a bordo dos voos da SpaceX Staff Dragon.



A NASA disse em um comunicado fornecido O jornal New York Instances:

“Tripulações integradas de voo garantem que haja membros da tripulação devidamente treinados a bordo da estação para manutenção essencial e caminhadas espaciais. Também protege contra contingências, como um problema com qualquer espaçonave da tripulação, problemas médicos sérios da tripulação ou uma emergência a bordo da estação que exija uma tripulação e o veículo que eles são designados para retornar à Terra mais cedo do que o planejado.”

Em outras palavras, o acordo garantirá que os segmentos da estação operados pelos EUA e pela Rússia nunca fiquem sem tripulação em caso de voos cancelados ou outras emergências. A agência também disse que os primeiros voos integrados ocorrerão em setembro, com Anna Kikina sendo a primeira cosmonauta russa a voar em um Staff Dragon. Ela será acompanhada por Nicole Mann e Josh Cassada da NASA, bem como pelo japonês Koichi Wakata. Enquanto isso, o astronauta da NASA Frank Rubio irá para a ISS a bordo de um voo da Soyuz. Na primavera de 2023, Andrei Fedyaev, da Rússia, e Loral O’Hara, da NASA, também trocarão de lugar. Nenhum dinheiro mudará de mãos sob o acordo, ao contrário do passado, quando a NASA pagava à Roscosmos cerca de US$ 56 milhões por assento.

O anúncio vem ao mesmo pace que a demissão de Dmitry Rogozin como chefe da Roscosmos. Rogozin fez declarações e decisões controversas durante anos, mas especialmente nos últimos meses após a invasão da Ucrânia pela Rússia. Depois que a Agência Espacial Europeia desistiu formalmente da missão conjunta ExoMars com a Rússia, por exemplo, Rogozin disse que ordenou que a tripulação da Roscosmos parasse de trabalhar com o braço robótico europeu na ISS. A Roscosmos, sob sua liderança, também distribuiu imagens de cosmonautas segurando bandeiras de separatistas pró-Rússia na Ucrânia. NASA emitiu uma declaração depois, dizendo que “repreende fortemente o uso da Estação Espacial Internacional para fins políticos para apoiar [the] guerra contra a Ucrânia.”

Os tempos disse que o porta-voz do Kremlin esclareceu que a demissão de Rogozin não tem nada a ver com seu desempenho. De acordo com Espaçoagência de notícias da Letônia Medusa informou que Rogozin seria designado como chefe de gabinete de Putin ou como administrador supervisionando os territórios da Ucrânia que a Rússia ocupou, mas nenhum dos rumores foi confirmado ainda.

Todos os produtos recomendados pelo Engadget são selecionados por nossa equipe editorial, independente de nossa matriz. Algumas de nossas histórias incluem hyperlinks de afiliados. Se você comprar algo através de um desses hyperlinks, podemos ganhar uma comissão de afiliado.

[ad_2]

Fonte da Notícia: www.engadget.com

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo